MGA – Ambiental realiza monitoramento de gases e vapores existentes no solo

14.11.2011

A MGA – Monitoramento e Gestão Ambiental está no mercado há pouco mais de três anos, vem conquistando espaço no mercado e crescendo como empresa e referência em serviços. Nos últimos meses novas oportunidades têm surgido, aumentando seu raio de atuação e consequentemente a sua estrutura e corpo técnico.

A empresa conta com equipamentos qualificados para as práticas de sondagem e monitoramento ambiental, realizando os trabalhos de campo em parceria com as principais empresas de consultoria ambiental do país.

Dentre os diversos equipamentos da MGA – Ambiental, destaca-se a sonda hidráulica Mach Geo 7200, que proporciona eficiência e qualidade para a coleta de amostras de solo e instalação de poços de monitoramento, além de possibilitar a expansão dos negócios da empresa, uma vez que este equipamento apresenta elevada versatilidade e a cada dia novas oportunidades são incluídas no plano de negócios da MGA – Ambiental.

Uma novidade na empresa e, também, neste segmento de mercado, são os poços para monitoramento e amostragem de gases do horizonte não saturado, serviço com demanda crescente no Estado de São Paulo e ainda pouco conhecido e com carência de empresas habilitadas para a sua execução.

CFEM_clip_image002_0002

 

 

 

 

 

Os poços citados podem ser utilizados para o monitoramento e controle da intrusão de gases e vapores através do solo, sob fundações e pavimentos e interferindo na qualidade atmosférica de ambientes “indoor”, como é o caso das intrusões de metano no ambiente interno do Shopping Center Norte, por exemplo.

Além disso, em áreas urbanas industrializadas, comumente ocorrem contaminações de solo e águas subterrâneas por compostos orgânicos voláteis (VOC´s), que podem liberar contaminantes no solo sob a forma gasosa e os mesmos migrarem para o interior de residências e ambientes fechados, gerando cenários de risco a saúde da população eventualmente exposta.

CFEM_clip_image002_0004

O geólogo da MGA – Ambiental, Gustavo Codo, acredita no crescimento deste trabalho e no desenvolvimento desta atividade no mercado ambiental brasileiro. “O mercado carece desta modalidade de monitoramento, a CETESB está exigindo das empresas e no mercado existem poucas empresas habilitadas para a execução deste serviço.”

 

 

 

 

Foto: Divulgação MGA – Ambiental
Equipe realizando trabalho de campo